Data de Estreia: 08 Março 1950

Duração: 81 minutos

Cor: Preto e Branco

Estúdio: United Artists (Apresentação de Mary Pickford)

Realizador: David Miller

Produtor: Lester Cowen

Argumentista: Frank Tashlin e Mac Benoff, baseado numa história de Harpo Marx

Fotografia: William C. Mellor

Coreografia: Billy Daniel

Protagonistas: Harpo Marx, Chico Marx, Groucho Marx, Ilona Massey
Love Happy foi o último dos filmes dos irmãos Marx e provavelmente o pior.
No ínicio de 1949, depois de ter estado sem trabalhar num filme cerca de meio ano, Marilyn Monroe foi contratada como figurante para uma breve passagem no filme
Love Happy. Algumas fontes dizem que foi o Agente de Hollywood Louis Shurr que encorajou MM a participar na audição de Lester Cowan. Outras dizem que foi o próprio agente de MM, Harry Lipton, a encorajá-la e outras fontes ainda, defendem que foi a própria Marilyn que arranjou a sua própria entrevista com Cowan e Groucho Marx nos estudios da RKO. Seja qual fôr a verdade, MM fez a audição e relembra mais tarde: “Estavam lá três raparigas e Groucho pediu que todas nós caminhassemos para longe dele. Eu fui a única a quem ele pediu novamente. Depois disso ele murmurou no meu ouvido: «Tens o traseiro mais bonito do mundo do espectáculo». Tenho a certeza que ele quis dizê-lo de uma maneira simpática”.
Marilyn ganhou o papel e deram-lhe depois algumas linhas de diálogo como recompensa.
Quando o filme foi estreado, os créditos no ecrã anunciavam: “Apresentando Marilyn Monroe”, apesar do facto dela já ter entrado em três filmes. Mesmo aparecendo no ecrã durante uns escassos 90 segundos, o filme é importante para a filmografia de MM por duas razões: primeiro porque introduziu o “Andar de Marilyn” às audiencias e ao mundo de Hollywood, e segundo, indirectamente, introduziu-a ao famoso Agente de Hollywood, Johnny Hyde.
Em Junho de 1949 MM estava sem dinheiro e sem trabalho. Quando o produtor Lester Cowan lhe dá a hipótese de promover o filme a nível nacional, ela não recusa. Compra roupa quente pensando que em Nova York estará frio. Quando chega dá-se conta que a cidade passa por uma vaga de calor. Um dos Agentes do filme dá-lhe dois gelados de cone e tira fotos de Marilyn transpirando. Acompanhando a foto podia-se ler “Marilyn Monroe: a personagem mais quente de Hollywood, refrescando-se”. Talvez um pouco exagerado para uma desconhecida aspirante a estrela que tinha um papel de passagem de 90 segundos no filme e não tinha nem dinheiro nem estúdio.
* Louco por Mulheres*
(Love Happy)
Marilyn Monroe como uma cliente